domingo, 16 de setembro de 2012

O Legado Bourne

 

Bourne legacyJá comentei várias vezes que adoro a trilogia Bourne. Não sei porque ainda não comentei, mas acho muito provável que assista tudo de novo, como fiz com Batman (aqui só está O Cavaleiro das Trevas, mas os outros dois estão linkados). Assim, semana passada fiquei no maior dilema: assistia este ou Abraham Lincoln - caçador de vampiros? Ganhou o que tinha a sessão mais cedo ;D Mas compensei essa semana.

Aviso para quem ainda não foi: assista os três primeiros, especialmente O ultimato Bourne, porque este ocorre mais ou menos simultaneamente ao terceiro, e os eventos deste são desencadeados justamente por tudo que acontece com Jason Bourne.

Cross

Aaron Cross (Jeremy Renner) é um agente da Outcome, resultado de uma série de experimentos para transformá-lo em uma espécie de arma de última geração, exatamente como Jason Bourne. Ele depende de medicamentos fabricados por uma empresa farmacêutica, e seu estoque já está quase no fim, de forma que sua vida está em risco. Mas, diferente de Bourne, Cross sabe quem é e o que foi feito com ele. E quando Bourne parte em sua vingança atrás da Treadstone, Cross corre risco também, pois ele pode expor a CIA e toda a sujeira sobre Bourne. E claro que isso não pode vir a público.

E perseguindo Cross para evitar isso, está Eric Byer (Edward Norton, excelente, e que eu adoro!). Ele é o chefe das investigações, e também sabe tudo sobre Bourne. Junto com ele estão Ezra Kramer (Scott Glenn) e Mark Turso (Stacy Keach), ambos supercompetentes também.

Eric Byrne

Mas Cross não está sozinho. Ele tem a ajuda da Dra. Marta Shearing (Rachel Weisz, linda e numa atuação perfeita), responsável pelos medicamentos de Cross, e, depois de sobreviver a um ataque ao laboratório em que trabalhava. Agora ela também é um alvo, e precisa de Cross para sobrevier, assim como ele precisa dela.

Marta

Assim como nos outros, o filme intercala sequencias de ação e de tensão dramática com eficiência, e mantém a gente preso até o fim. E, sendo Bourne, claro que tem que ter uma sequencia de perseguição eletrizante, dessa vez nas ruas de Manilla. E, para Rachel Weisz, numa entrevista, a cena que deu mais medo (dá para entender, mas por outro lado, ela ficou agarradinha com Jeremy Renner ;D). E falando nele, Jeremy Renner não tem a mesma densidade de Matt Damon, mas Cross também é um personagem mais leve. E ele aguenta o tranco de encarar o protagonista na franquia, faz o papel muito bem. E o filme também deixa um gancho para uma continuação, desta vez juntando Cross e Bourne, que aliás não é esquecido em nenhum momento do filme. O filme passa rápido, e é preciso prestar atenção nos detalhes, como nos outros. E, como já é marca registrada, a gente sabe que acabou ao ouvir os primeiros acordes de Extreme ways, do Moby, aqui com uma cara nova.

Só tenho uma reclamação: o casal do meu lado, que não parava de falar. E não eram adolescentes, eram de meia-idade Smiley triste. No começo, o homem ficava explicando para a mulher tudo que acontecia, relembrando os eventos dos anteriores. depois, ele ficava dando pitaco. Assim, se você quer dar sua opinião, veja em casa, onde não vai incomodar ninguém. E, claro, quando o filme acabou, e ela podia falar, calou a boca. Respeito é sempre bom.

E, como sempre, aí vai o trailer para você ficar com mais vontade de ver:

Por hoje é só. Beijos e até o próximo post!

9 comentários:

Fefa Rodrigues disse...

Feeeeee me manda o trailer de novo!!!

Viu, falando em Kenn Follet, vc viu que o Inverno do Mundo, continuação de Queda de Gigantes, saiu?!?!

T^doida por ele!!!

Wander disse...

Uhu! Tava louco por este post so pra poder ter a chance de colocar um comentario gigantesco, com todas minhas impressões do filme, algo que face nao permite kkk.

No meio a Spider Man, Batman, Avengers, Hobbit... Este era meu filme mais esperado do ano. Eu sou super mega fan da trilogia, já assisti os filmes pelo menos umas 12 vezes casa (sem exageros rs).

É legal destacar a importancia de Bourne para a forma de abordagem de filmes de ação do cinema. Antes o legal era o herói indestrutivel, que pulava 50 metros, passando por explosões, destruindo um exercito a base de pancada, levanto mil tiros de soldados sem nenhum acerta-lo, e conseguir sair com cara de quem acabou de sair do banho sem nenhum arranhão. Isso pra nao citar as cenas super mega ultra mentirosas neh rs. Ja bourne se destaca para as cenas super realistas, filmadas com cameras de mão, um heroi comum; impossivel nao se identificar. E isso acabou por influenciar os novos filmes de 007 missão impossível e até mesmo o recente Safe House (excelente filme com Denzel Washington e Ryan Reynolds).

Eu gostei muito de Bourne Legacy! A idéia de colocar esse filme correndo paralelamente ao Ultimato Bourne, foi uma sacada de gênio. Mas algumas me incomodaram. Primeiramente, acho que o filme especificamente na parte do Aaron Cross demora muito para "engrenar"... Aquelas cenas avulsas e chatas dele no Alasca, foram completamente desnecessária e poderia ter sido suprimida em uns 2 minutos e bastaria aquela conversa dele com o cara que ele encontra na cabana, para entendermos tudo. Depois, não sei, acho que não conseguir sentir uma empatia por ele, como foi com o Jason Bourne. Ele tem o motivo de se tornar "auto-suficiente" dos remédios. Ok. Já o Jason, era algo mais complexo, e o fato dele ter amnésia, ajudou bastante no carisma do personagem.

Agora no quesito atuação, esse é filme é um deleite. O Edward Norton está excelente, fazendo vilão frio e calculista da vez; mas o destaque sem dúvidas foi da sempre maravilhosa e linda, a deusa Rachel Weisz. Essa mulher é incrível, sou apaixonado por ela desde Constantine. Nas cenas dramáticas, ela esteve soberba. E ainda conseguiu ser o alívio cômico em algumas cenas. Foi ótimo rever a também ótima Joan Allen, que fez um trabalho incrível nos ultimos 2 filmes da trilogia, e me surpreendi MUITO com o desfecho que colocaram para a personagem depois da denuncia que ela fez no fim de O Ultimato Bourne. Espero que ela volte com grande destaque no proximo filme. O Jeremy Renner foi bem, ele segurou bem o papel, a questão é que ele não tem o carisma do Matt Damon, e seu personagem, frente ao Jason Bourne, fica ainda menor. rs.


Ps.: A sequencia do filme já foi confirmada! uhu

ps. 2: O que foi aquelas sequencias de perseguição em Manila? Foi f*d@ deeeeemaais!!! Totalmente de tirar o fôlego. Estou na dúvida se supera a perseguição em Moscow no Supremacia Bourne.


Pode me bater pelo livro que eu escrevi. Me empolguei mesmo! haha... Beijos Fer!

Wander disse...

aH, esqueci de comentar. Rs.

Fer, você já leu os livros da trilogia Bourne? Eu li os 2 primeiros.. Tenho que ler o ultimo rs. Mas são muito diferente dos filmes, mudaram praticamente tudo! Mesmo assim vale a pena.

Tem um telefilme de 1988, The Bourne Identity, que é mais fiel ao livro. Mas não encontrei pra download com legenda ainda.

Beijos.

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Wander!

Não, eu não li os livros(#FAIL), mas já sabia que eram bem diferentes.

Eu acho que isso de demorar pra engrenar é porque é o primeiro do Cross mesmo. A identidade Bourne tem o mesmo problema. Mas acho que Jeremy Renner deu conta do recado, e nem dá pra comparar os dois, porque os personagens são mesmo diferentes. Enquanto a luta de Jason é para se lembrar, Cross sabe quem é, e sua revolta é por ser um experimento mesmo. E concordo, ambos são heróis de ação mais realistas, complexos. Também gostei da participação da Joan Allen e adoro a Rachel Weizs desde A Múmia ;D

E, nossa, aquela cena de Manilla foi animal! Concorre com a de Ultimato!

Beijos!


Wander disse...

Tem um amigo meu que esta "tentando" ler o livro, isso porque ele esta ha 2 semanas com o livro e disse que não conseguiu passar da 50ª página rs. Mas a leitura realmente não é das mais fáceis.

Olha não acho que o primeiro Bourne demorou não; tipo, foi tudo na sequencia, ele sendo tirado do mar, depois deixa o barco, vai a Zurique e a partir daí já começa a ação/perseguição. Ja nesse filme, são variaas cenas avulsas dele correndo, escalando montanha em geleiras, ae corta pra outra cena em nova york, volta pra ele pulando em cima de arvore, fugindo de lobo, volta pra NY, corta pra ele pulando uma montanha, corta pro laboratorio, uma cena de flashback e depois ele escalando outra montanha. Nao aguentava mais rs. Acho que msm se tratando de um novo personagem, o "ambiente Bourne" já somos familiarizados, entende!? Enfim, isso não influenciou no resultado final.

Beijos.

navirj disse...

Vou assistir. :)
Ah nem me fale em gente conversando durante o filme. Tenho péssimas experiências com gente mal educada no cinema. Uma garota uma vez além de falar colocou os pés no banco da frente (o meu) 1 em cima de cada um dos meus ombros. E eu sou esquentada, esse tipo de coisa não termina bem hahaha.
Beijo. Nadia

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi gente!

Wander, mesmo estando ambientados com Bourne, a gente tinha que conhecer o Cross, mas agora que eu tô pensando, foi mesmo...algumas cenas foram desnecessárias (matar o lobo...em algum lugar os Stark estão tendo um ataque de fúria ;D).

Nádia, eu acho que sou íma pra esse tipo de coisa. Smepre tem um xarope do meu lado. Quando fui assistir A garota da capa vermelha, tinha um grupo de adolescentes atrás de mim. Lá pelas tantas, na metade do filme a mente brilhante de trás diz: olha, é da chapeuzinho! Não, sério Einstein?! E quando fui ver Jogos Vorazes, tinha dois carinhas do meu lado, e um deles leu o livro até pelo menso a metade antes de ver o filme, porque ficou contado e comentando com o colega tudo...Aff! Isso são só dois exemplos. Se eu for contar todas as histórias, escrevo um post imenso;D Mas a da Chapeuzinho ganhou disparado...

Beijos!

Wander disse...

Coitado do Lobo. Os Starks deveras estão furiosos. Com certeza serão os vilões do próximo filme rs.

Nossa, esse tipo de experiencia em cinema com pessoas mal-educadas é o fim da picada. Que azar o seu passar por isso mais de uma vez hein Fer. Imagine eu que inventei de assistir New Moon na pré-estreia de Meia Noite? Nunca passei tanta raiva na minha vida, com aquele monte de adolescentes frígidas gritando o filme todo, achando que estavam em um show ao vivo. Pior que exatamente nas cadeiras do corredo ao lado tinha uma menina revoltadíssima que era fã do Jacob e odiava a Bella e xingava ela o filme todo. Mandei ela calar a boca umas 10 vezes. Pensando bem, agora já sei de onde veio meu odio dessa saga kkk.

Deveria ressuscitar os "lanterninhas" né? Rs.

Brijos.

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Wander!

Pois é, acho que as pessoas deviam fazer curso de etiqueta antes de ir ao cinema...;D

Beijos!