domingo, 9 de setembro de 2012

Abraham Lincoln – Caçador de Vampiros (filme)

 

Abraham LincolnSó por ter um dedinho de Tim Burton na produção deste filme já me dava vontade de ver. E depois de ver Sombras da Noite e ver que Seth Grahame-Smith era o roteirista dos dois era tudo que eu precisava.

Já aviso para quem leu o livro que, fora os personagens e as circunstâncias de Abe se tornar caçador de vampiros, o filme não tem nada a ver com o livro (aguardem resenha nos próximos dias). Mas, com eu disse lá em cima, o responsável por todas as alterações é o próprio pai da criança, então ele sabia muito bem o que estava fazendo. E posso dizer que deu certo. O resultado é um filme recheado da ação e mais ágil que o livro.

Abe

Tudo começa quando, ainda criança, Abe testemunha o assassinato de sua mãe, aqui por um vampiro, acendendo no pequeno Abe a sede de vingança contra tudo quanto é sanguessuga no mundo. Mas, nove anos se passam até que ele tenha idade suficiente para tanto.

HenryE é aí que entra em cena Henry (o fofo Dominic Cooper, que arrasa no papel, mas pra mim vai ser sempre o noivo lindinho da Amanda Seyfried em Mamma Mia!, que eu adoro, antes de dar a impressão errada), um homem misterioso, que acaba por salvar a pele de Abe (Benjamin Walker, muito bem no papel também) na primeira e patética tentativa de matar o assassino de sua mãe.

Henry toma para si a tarefa de treinar Abe, e ensina tudo que sabe ao pupilo, mas guarda um segredo que pode abalar a amizade dos dois no futuro. Abe aprende rápido, e segue as instruções de Henry, matando os vampiros que Henry manda. Mas lá pelas tantas, Abe percebe que um homem só. E daí surge o desejo que entrar na política.

Abe   Mary

Outra coisa que atrapalha um pouco na missão de caçar vampiros de Abe é o fato de não poder constituir família, ficar sozinho. A princípio ele não tem problema com isso, até que aparece em sua vida Mary (Mary Elizabeth Winstead, que segura as pontas muito bem). Aí Abe entra em conflito e decide sair da vida de caçador, para não colocar Mary em perigo. Mas ele nem desconfia que Mary já está em perigo, porque seus inimigos sabem dela. Cabe a Henry chamar Abe de volta para sua vocação.

E que inimigos são esses? Bom, os dentuços, claro, mas há um chefão entre eles. No caso é Adam (Rufus Sewell, que eu adoro, e, tirando o Tom de Pilares da Terra, só faz vilões. E aqui não deixa por menos, e faz o papel lindamente). Ele tem um pacto com os grandes fazendeiros do sul dos Estados Unidos e vai ser um dos grandes instigadores da Guerra de Secessão, a Guerra Civil Americana. Sua braço direito é Vadoma (Erin Wasson).

Abe   Adam

Como eu disse lã em cima, o filme não tem nada a ver com o livro, mas é bem legal mesmo assim. A caracterização é perfeita, assim como a ambientação. Os cenários são lindos, e a fotografia é maravilhosa. As cenas de ação são de tirar o fôlego, apesar de forçar um pouco em certos momentos, mas nada que estrague a diversão. O filme também mescla bem humor, ação e romance, e passa rapidinho. O filme é curto, não tem nem duas horas, mas o ritmo dele faz parecer ainda menos. E como bônus, a música dos créditos finais é do Linkin Park. Achei esta aqui – Powerless, mas ela não é a mesma. Ou é uma versão diferente. De qualquer modo, eu gostei dela, e ela é do filme mesmo, dá para perceber pelo clipe. E quase me esqueço de mencionar uma coisa muito importante: o machado! Cheio de truques! Quero um pra mim! E Abe maneja o machado como ninguém. Quase tão legal quanto um arco!

Abraham machado

E, para finalizar e deixar você com aquela vontade de ir ao cinema, aí vai o trailer:

Beijos e até o próximo post!

6 comentários:

navirj disse...

Parece divertido. Fiquei com vontade de assistir.
Beijos, Na.

Fefa Rodrigues disse...

Feeee... meu fim de semana vampiresco começou com esse filme na sexta a noite e confesso que gostei bastante, achei bem legal o clima meio "matrix" cheio de ação...

Concordo com vc, Henry é um fofo e não tinha percebido que ele era o noivo da Sofie do Mama Mia - filme que eu tbm amo de paixão - ele é um daqueles "garotos problema" né... sabia que vc ia gostar dele assim que o vi em ação!!!

E o Abe é muito figura tbm né?! Aquela carinha de bobo... apaixonado pela Mary, achei ele demais...

Por fim, adorei a "sacadinha" do final, o be indo ao teatro... uma pena, não!!

E eu não sabia que o filme era bem diferente do livro, já tinha pensando em cmprar, mas agora, sabendo que é diferente, fiquei com mais vontade ainda... vou encomedar hj, aproveitar que o preço tá muito bom!!!

Pena que não deu pra eu assitir Sombras da Noite, já estavamos no cinema, com os ingressos na mãe, e meu lindo Davi sentiu-se mal e tivemos que ir embora, vou tetnar ver esssa semana, pq sai de cartaz na quinta... senaõ, terei que ver na TV mesmo.

bjinhos Fe...

CMachado disse...

Olá Fe!!!
Você e a Fefa já viram que bom!!
Eu sabia que seria diferente do livro isso é certo, são propostas diferentes né!!
Por isso, mesmo é legal ler e ver o filme, adorei o trailer!!
Bjk
e boas leituras!!

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi gente!

Nádia, vai ver que é diversão garantida!

Fefa, também achei megafofo o Abe apaixonado pela Mary <3

Orquídea, sabe, eu acho que o autor fez muito bem em mudar bastante. Adorei o livro, mas do jeito que é, se fosse uma adaptação fiel, não seria tão legal.

Beijos!

Wander disse...

Nao li tudo pq ainda vou ver o filme e detesto spoiler, mesmo sendo uma adaptação e eu nunca li o livro rs.

Como disse no face Fer, estou meio saturado de vampiros (e só te pensar que ainda tem a desnecessária pt 2 de Amanhecer esse ano, minha taxa de glicose vai às alturas rs), mas o fato de ter Tim Burton no projeto, me dá um ânimo, apesar que ele tem me decepcionado em seus ultimos projetos. E nem gostei mt de Sombras da Noite.

Se eu nao demorar mt pra assistir, volto aqui pra registrar minhas impressões.

Beijos.

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Wander!

Sabe que eu achei Sombras da Noite melhor que os últimos filmes do Tim Burton? Não é Big Fish, ou Corpse Bride, ou Nightmare Before Christmas, mas eu gostei mais.

Vai ver esse sim, é divertido, pelo menos.

Beijos!