terça-feira, 22 de maio de 2012

O Corvo (The Raven – 2012)

 

The raven Eu estava ansiosa para assistir esse filme, desde a primeira vez que eu vi algo sobre ele. A princípio, pensei que fosse um remake do filme de mesmo nome com o Brandon Lee (que é muito legal também, mas fez mais sucesso porque ele morreu durante as filmagens. Confesso que só assisti por isso mesmo, mas gostei da história. E como curiosidade, o tiro que matou Brandon Lee foi o único que eu achei improvável. E a substituição dele por outra pessoa é muito bem feita, não dá para perceber. E isso lá na década de 90, antes da CG ser o que é hoje. Mas esse é outro filme, e se for comentar ele, vai ser em outro post).

De volta a este, ele mistura fato com ficção. Ele conta os últimos dias de Poe. Ele foi encontrado em 7 de outubro de 1849, à beira da morte e não falando nada com nada. Os dias que antecederam sua morte são um mistério (fato), o que abre todo um leque de especulações. E a história vem justamente daí.

O filme começa com Poe (John Cusack, que eu amo, e muito bem no papel, como sempre) em um banco de parque em Baltimore, já mais pra lá que pra cá. Daí, o filme volta no tempo alguns dias, quando ele vota a Baltimore, e tenta se virar só pela reputação de seu poema mais famoso, The Raven, ou em português O corvo (aqui em uma tradução de ninguém menos que o genial Fernando Pessoa). Mas sem publicação, ele cai no esquecimento do público, e está cheio de dívidas.

Poe   Fields

É quando começam a acontecer crimes macabros inspirados por seus contos. E por isso a polícia, comandada pelo Detetive Fields (Luke Evans) pede a ajuda de Poe para desvendar o mistério e impedir novos assassinatos. E tenho que dizer, esses assassinatos não ficam devendo em nada os de Anjos e Demônios e O Código Da Vinci, ou mesmo as cenas mais grotescas de Game of Thrones.

E quando a amada de Poe, Emily (Alice Eve), é seqüestrada as coisas pioram e eles correm contra o tempo. Esqueci de mencionar que cada corpo encontrado contém uma pista de onde Emily está.

Poe   Emily

O filme, apesar de ser um tanto previsível, consegue manter o suspense até quase o fim. O clima é bem sombrio (nem podia deixar de ser), e Baltimore reflete isso, sempre nublada e chuvosa. Mas também há algumas tiradas muito boas para descontrair, como:

Se eu soubesse que minhas histórias inspirariam tanto horror, eu teria escrito mais histórias eróticas
Poe

Não é essencial, mas é mais legal se você já tiver lido algumas das histórias de Poe, e ver as referências a cada uma delas na tela. Destaque para a participação de Brendan Gleeson (semparentesco com Jack Gleeson, de GoT) como o pai de Emily, e Oliver Jackson-Cohen, que irá interpretar o Ralph na adaptação de Mundo Sem Fim, de Ken Follett (a continuação de Os Pilares da Terra. Yuhuu! Ouviram minhas preces!), que sai, segundo o IMDB, ainda este ano. Confira aqui. Resta saber onde e quando.

A produção de arte também é boa, e os cenários são lindos. As sequencias dos assassinatos são bem executadas, e bem sangrentas (não assista se você tem estômago fraco). E a trilha sonora combina com o filme, e a música dos créditos finais é bem legal, um pop/rock/eletrônico bem sombrio: Burn my shadow, do Unkle.

Poe

De volta ao filme, não espere sustos ou muitas reviravoltas. Mas é bom entretenimento, e lembra um pouco Sherlock Homes - O Jogo de Sombras e John Cusack sempre vale a pena dar uma conferida. Aí vai o trailer:

7 comentários:

Carissinha disse...

Alguém que enxerga o filme exatamente como eu.
Não é o melhor filme que eu vi, mas acho que cumpre seu papel.

Beijos,

Carissa
http://artearoundtheworld.blogspot.com

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Carissa!

Exatamente. Não foi o melhor filme que eu vi, mas cumpre seu papel.

Beijos!

Fefa Rodrigues disse...

Feeeee, eu tbm estava achando que era um remake de O Corvo... o Davi que me falou ontem "não, é algo sobre o Poe"... huahuahua... até me lembrei de uma cena da série Mike and Molly, em que eles vão a uma festa a fantasia e o Mike acha que um cara lá ta fantasiado de pirata, pq ele esta com um corvo no ombro, e dai a Molly explica que é Edgar Allan Poe...

Voltando ao filme... ainda não vi mas com certeza vou assitir, eu adoro coisas sombria ainda mais se for lá pelo século XVIII... AH, vc ja viu um filme chamado A Mulher de Preto? É novo, esta no meu micro e parece bem sombrio... vou assistir no fim de semana... dai comento hehehe

CMachado disse...

Oi Fê,
Li na Fefa que vc ta lendo A Menina que não sabia ler, vc percebeu que tem a ver com Poe esse livro?

Não vou falar exatamente porque não sei onde vc tá no livro ;D
Bjk

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Orquídea!

Na verdade, quando li seu comntário, eu já tinha terminado o livro. E sim, tem muito a ver com Poe, mesmo, mas tem mais a ver com Henry James e A volta do Parafuso. Daqui a pouco sai a resenha.

Beijos!

Kathleen disse...

Filmes desse estilo sempre chamam minha atenção - apesar de eu ter medo também.
A primeira vez que vi o trailer dele foi quando fui ver Jogos Vorazes e já me interessei por ele de cara, porém vou demorar pra ver pois minha mãe achou o trailer dele muito feio D=

Bjkss ;*
http://ogatofeio.blogspot.com

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Kath!

Que saudade!

Olha, o filme não dá medo não. Acho que dei essa impressão na resenha, mas não assusta. Pena que sua màe achou o trailer feio :( Mas se você assistiu Sherlock Holmes, vai gostar desse também.

Beijos!