domingo, 20 de julho de 2014

Vampire Academy - filme

Então, fazia tempo que eu queria ver esse filme. Imagina qual a minha decepção quando a distribuidora aqui do Brasil, depois de uma looonga espera, decidiu que NÃO ia passar o filme nos cinemas? Revolta total com essa falta de respeito.

Mas...a Netflix é uma linda e não que tem o filme lá? E, aproveitando que estou de férias (e o fato de não ter ninguém monopolizando a TV), finalmente consegui conferir como ficou a adaptação e ver Dimitri lindo e Rose badass em ação.

O filme começa mostrando o acidente que matou a família de Lissa e que levou a sua ligação com Rose. Mas passa bem rapidinho, e logo corta para Lissa acordando desse sonho. E daí é exatamente como no livro: Lissa e Rose em fuga e Dimitri chegando para levar as duas de volta para São Vladimir.

E, como no livro, boa parte do filme é narrado por Rose, e as cenas em que Rose e Lissa estão ligadas ficaram bem mais legais no filme por causa disso. Isso porque no filme, diferente do livro, Rose fica mais ou menos consciente, só o que entrega que ela está na mente de Lissa são os olhos, que fizeram um negócio tipo o Bran wargando ou a Storm quando manipula o tempo. E durante esse tempo, Rose não deixa de fazer seus comentários sarcásticos hilários. E além disso, isso valorizou a atuação de Zoey Deutch, que teve oportunidade de aparecer mais.

Lissa foi uma surpresa principalmente porque Lucy Fry tem sotaque britânico, e eu gostei disso (já disse o quanto eu AMO esse sotaque?). Mas acho que a personagem poderia ser melhor trabalhada no filme. Toda a parte do sofrimento dela, os distúrbios psicológicos que são consequência do Espírito foram bem amenizados. Só a parte dela usar a compulsão para ficar popular foi mostrada (não me lembro de ver ela se cortando, por exemplo), e o refúgio dela e de Christian (que também tem sotaque britânico, e isso fez eu amar ainda mais o personagem). E não achei a atuação de Lucy lá grande coisa (masa não sei até que ponto isso é fato ou se estou simplesmente me deixando levar porque não curto muito a personagem, principalmente nesse primeiro).



Você deve estar se perguntado: Fernanda, e o Dimitri? Ah, Dimitri...Danila Kozlovsky fez bonito (em mais de um sentido), mas acho que faltou mostrarem o quanto Dimitri é badass. Mas a caracterização dele está ótima, tiveram o cuidado até de colocar as molnijas dele. E Danila fala inglês muito bem, o sotaque dele é bem leve, exatamente como o Dimitri do livro. E a química entre ele e Zoey é muito boa, e foi bem explorada. E outra coisa que eu gostei é que o Dimitri do filme é um pouco menos soturno do que o do livro.



Victor aparece pouco, e sinceramente, acho que Gabriel Byrne, que um ótimo ator, poderia fazer um pouco melhor. OK, vamos admitir que neste primeiro a gente ainda não sabe exatamente quem é Victor, mas mesmo assim, me pareceu que o cara estava com cara de tédio toda vez que aparecia. Já Olga Kurylenko está hilária como a paranoica Kirova. E Mason é um fofo tanto quanto no livro. E Cameron Monaghan é o responsável por tanta fofura.

Já o núcleo Mia e Jesse está mais ou menos. Bem como a menina mimada e popular da escola, que todo mundo quer ser ou ter como amiga. Mas na verdade ela é insuportável, e poderia muito bem ser cortada do filme sem grande prejuízo para a história. Por outro lado, gostei bastante de Natalie. Sarah Hyland fez um bom trabalho, especialmente no final. E a caracterização dela também está perfeita.

Uma invenção que eu sinceramente não sei como me sinto sobre é dos tais dos sire hounds (sério, cães paranormais???? Oi?). E em termos de CGI, o filme deixa um pouco a desejar. Mas OK, o filme não teve o orçamento de um TLOTR ou GoT, então a gente releva. A ambientação, por outro lado, é espetacular, São Vladimir é lindíssima, e a caracterização, como eu disse, está ótima. Gostei também que já incluíram os strigoi, achei muito válido, e o final do filme tem um spoiler do terceiro livro que vai deixar os fãs da série com água na boca. Os figurinos também são lindos. A trilha também é legal, contando com pelo menos duas músicas de Goldfrapp, Katy Perry, entre outros. E como adaptação, o filme é bom, mas algumas coisas, como os problemas psicológicos de Lissa, como falei, e mesmo a mitologia do livro foram apresentadas muito superficialmente, e se você não é fã e já conhece, pode ficar perdido. Não é uma maravilha, mas é entretenimento, típico filme pipoca. E só mesmo para quem já é fã de VA. Confira o trailer:




4 comentários:

Jéssica Soares disse...

Ei, Fê! Pois então, concordo com tudo o que você falou e é bem aquilo que a gente conversou no twitter hoje, achei que muita coisa ficou superficial demais na história e é provavelmente por isso que o filme não engatou como sucesso de bilheteria. Apesar da Zoey e do Danila estarem super incríveis (e a química entre eles melhor do que eu estava esperando), os dois sozinhos não poderiam carregar a produção nas costas... Realmente, não sei se é pelo fato de não curtir a personagem, mas a Lissa ficou bem apagadinha mesmo e aquilo que daria mais profundidade a personagem, nem teve tanta importância na adaptação. Resumindo, é bom, dá um gostinho de quero mais, mas também não é um filme mega incrível que vai fazer você pirar (o que é uma pena né, gosto demais de VA e queria que tudo desse certo com a série nos cinemas...). De qualquer forma, adorei sua review! Bjs
Jess

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Obrigada, Jess!

Beijo!

Nana ~* disse...

Oi Fernanda,
Eu quero assistir, mas não sei se leio antes...
Gosto muito da Zoey, desde Ringer, e esse moço cabeludo russo.. ai ai :P

Netflix a salvadora da pátria, sempre ♥

bjs
Nana - Obsession Valley

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Nana!

Se você não leu eu recomendo que leia antes, pra se familiarizar com a mitologia e todos os problemas que envolvem a Lissa. Mas se mesmo sem ler você está familiarizada com isso, então OK.

Beijo!