domingo, 19 de maio de 2013

Homem de Ferro 3

 

Iron Man 3Sinceramente quando saiu o primeiro filme, eu nem fiz questão de ir ver no cinema. Nem o segundo. E acho que não teria gostado tanto, me apaixonado mesmo, se não fosse por Robert Downey Jr(que dispensa comentários, dá show). Talvez se outro ator interpretasse Tony, eu não gostaria como gosto hoje. Ou talvez sim, não sei. Já falei que apesar de não seguir os quadrinhos, sou apaixonada por filmes que venham de quadrinhos, Especialmente da Marvel.

Mas de volta a Homem de Ferro. Nunca foi um dos meus favoritos. Eu gostava mesmo é de X-men. Mas foi eu assistir o primeiro que me apaixonei. Assim, estava muito ansiosa para ver o terceiro filme. Demorei porque tive a Game of Thrones exhibition, dia das mães…só posso ir de domingo ao cinema. E eu precisava convencer minha irmã a ir comigo. Mas a espera valeu.

Tony

Este se passa algum tempo depois dos acontecimentos narrados em The Avengers. Tony ainda está abalado por quase ter sido sugado pelo worm hole, mas claro que sendo Tony, ele nega. Não gosta de falar no assunto, tem crises de pânico toda vez que alguém menciona New York, mas na superfície ele é o mesmo velho Tony de sempre: sarcástico, excêntrico, high on himself, mas que a gente ama. O que eu achei bem legal neste é que ele começa (e termina) sendo narrado pelo próprio Tony. E como ele mesmo diz, nós criamos nossos próprios demônios. E ninguém sabe disso melhor que Tony.

MayaVoltando um pouco no tempo, ele narra a noite de ano novo de 1999, que passou na Suíça. Na época, Tony ainda era um beberrão boa-vida e mulherengo. E assim acaba por conhecer Maya Hansen (Rebecca Hall), uma mapeadora genética pesquisando regeneração. Tony vai ver do que se trata, mas claro que seu interesse é outro. No elevador (guardem isso, vou repetir depois), ele conhece Aldrich Killian (Guy Pearce), um fã do trabalho tanto de Tony quanto de Maya. Tony promete que encontrará Killian no telhado, mas claro que as distrações o impedem. Dizem que o inferno não conhece fúria como a de uma mulher desprezada. Bom, o mesmo pode se dizer de cientistas esnobados por seus ídolos. Claro que o comportamento de Tony voltará para explodir na sua cara. E como explode.

Pepper   Killian

Treze anos depois, Killian é um cientista renomado, e executivo prestes a vender sua pesquisa à Stark Industries, agora sob o comando de Pepper Potts (Gwyneth Paltrow). E a gente fica sabendo que Killian é na verdade ex-namorado de Pepper. Logo de cara Happy (Jon Favreau, que antes assinava a direção, agora só atua e tem a produção. Decisão acertada, na minha opinião), agora chefe de segurança da Stark Industries, e responsável por uma das sequencias mais hilárias do filme, não vai muito com a cara do sujeito, menos ainda com a do segurança do cara (James Badge Dale, muito bem no papel, diga-se de passagem), ali como se estivesse na sala de casa. E começa a investigar. Só que essa investigação vai custar caro a Happy.

mandarimEm meio a tudo isso, um terrorista auto-intitulado Mandarim (Ben Kingsley) anda bombardeando lugares nos Estados Unidos, no melhor estilo Al-Qaeda. E as semelhanças não param por aí. A caracterização de Mandarim está muito mais para Osama Bin-Laden que para terrorista chinês, e foi praticamente a única coisa que me desagradou no filme. Mas eu entendo. Queira ou não, Bin Laden foi o maior terrorista, e o homem mais procurado do mundo por tempo demais. O público necessitava de algo que pudesse identificar prontamente como algo que realmente inspira terror, literalmente. E não só nós, assistindo o filme. Mas os próprios personagens do filme. Eu sei que não faz muito sentido isso desta forma, mas quem assistiu o filme vai entender. E quando um desses alvos acaba atingindo Happy e o colocando em um coma, Tony parte para a vingança.

Harley   TonySó que Tony está sozinho nesse trajeto. Happy em coma, e Pepper está meio afastada, por obra do próprio Tony. E para piorar, Tony ao provocar Mandarim, acabou por destruir todo o seu estoque de armaduras,e a única que restou claro que está com energia baixa, e acaba caindo perto de uma cidadezinha onde supostamente aconteceu o primeiro atentado de Mandarim. Sozinho e sem equipamento, Tony é obrigado a começar do zero. Bom, sozinho é uma palavra um pouco forte. Ele acaba conhecendo um garoto, Harley Keener (Ty Simpkins, excelente), que acaba ajudando Tony. E também é o responsável por outra sequencia hilária.

Tony   IM

E Tony assim, sozinho, mostra que é baddass com ou sem a armadura. Ele tem que lutar, e muito, sem ela. Respondendo a Thor (que é mencionado no filme, by the way), fora a armadura o que ele é? Playboy, bilionário, filantropo, gênio e baddass. Só isso. Achei isso bem legal. Si, Tony é o Homem de Ferro, mas também é um ser humano fantástico, que se dá à missão à vista sem pensar duas vezes.

Patriot of ironRetorna neste o Coronel James Rhodes, interpretado lindamente por Don Cheadle (e que eu prefiro do que o carinha que fez o papel no primeiro filme). Depois de vestir a armadura no segundo, agora ele oficialmente é o Patriota de Ferro, a serviço do governo americano. Um pouco demais, não? Mas entende-se pelo contexto do filme. E, diferente do que pode parecer, não é tão irritante como pode parecer. E para constar, rende piadas dentro do próprio filme, sobre eles mesmos.

Os efeitos especiais estão de babar, e eu nem vi em 3D. Não posso falar muito para não estragar, mas a animação está perfeita. O desafio cresceu, e muito, neste. O elenco todo é perfeito, e com atuações impecáveis. A trilha sonora é boa, mas deixou um pouco a desejar. As músicas instrumentais sim forma à altura, mas as outras não correspondem à dos dois primeiros filmes. Cadê AC/DC? Cadê Black Sabbath? Apesar de War machine, do AC/DC constar como trilha sonora, eu não me lembro de tocar no filme. Não que as que tocaram fossem ruins, mas não corresponde ao que a gente espera quando pensa em Homem de Ferro. E lembra que a história é narrada por Tony? (SPOILER! Não leia até o fim do parágrafo caso não tenha visto o filme) Dica: fique até o final dos créditos. Há uma cena hilária depois deles: Tony contando tudo ao Dr. Bruce Banner, que caiu no sono já no elevador (entendeu?).E mesmo numa cena curtinha, Mark Ruffalo arrasando. E deixando a brecha para mais filmes.

Pepper

Mesclando muito bem humor, ação e intrigas, não vou dizer que Homem de Ferro 3 é o desfecho perfeito porque Tony vai retornar. É a celebração de um homem que falha, tem consciência disso, mas que vai atrás de consertar seus erros, e que sabe colocar o bem maior acima de seus próprios interesses. É a queda e a redenção. Fique aí com água na boca com o trailer:

Beijos e até o próximo post!

4 comentários:

Carissa Vieira disse...

Nos uma fã do Homem de Ferro, mas achei o filme muito engraçado, com ótimos efeitos especiais. Só achei que tem umas brechas de roteiro, mas ainda assim gostei do filme.

Beijos,
Carissa

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Carissa!

Talvez exatamente porque não lemos os quadrinhos a roteiro tenha esses buracos. Um amigo meu que é fã incondicional dos quadrinhos adorou, justamente porque tem muito dos quadrinhos. O link para a resenha dele está aqui:
http://drunkwookieblog.wordpress.com/category/filmes/

Explicou muita coisa, eu entendi melhor o filme.

Beijos!

drunkwookie disse...

E ae Fê? vi que voce gostou do filme!
Realmente muito bom!
O Tony de sempre está ali é só observarmos melhor...
gostei da sua resenha...e acredita que nao vi as cenas finais?
preciso assistir de novo...

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Drunk!

Adorei! E a sua resenha também me ajudou bastante, já que não li os quadrinhos.
Eu já estou manjada nesses filmes de quadrinhos, sempre tem uma ceninha escondida. Eu não sabia, mas arrisquei, e fiquei até o fim dos créditos.

Beijos!