sexta-feira, 5 de julho de 2013

Faixa a Faixa – Imagine Dragons - Night Visions

 

Imagine dragons nightMais uma vez, desculpem pelo atraso. E este está duplamente atrasado, já que também não fiz em maio. Mas, final de semestre, tanto na faculdade como no trabalho, as coisas foram se acumulando e quando eu vi, já estava no final de junho, e nada dessa coluna sair. E veio julho também, atrasei de novo, mas vou compensar, prometo.

Já falei aqui – Arrow como fui fisgada por essa banda de Las Vegas (deve ser coisa de cidade, porque The Killers também é de lá e é outra banda fantástica) recentemente. Já viciei, baixei todas as músicas que consegui encontrar deles (mas se encontrar vou comprar o CD original) e não paro de ouvir (agora nem tanto, passando por um período de desintoxicação – hehe). Mas não vou falar muito deles, porque já falei em outro post (já coloco o link).

Night Visions é do ano passado, e a versão deluxe (essa que vou comentar) saiu esse ano. É o primeiro álbum da banda, apesar de eles já estarem na estrada desde 2008.Uma das coisas mais legais deles é que sempre há uma virada inesperada nas músicas, todas guardam alguma surpresa. Mas como não vou me demorar, aumente o som e aproveite cada minuto!

1. Radioactive: já falei dela no link acima, de Arrow, e também aqui – Radioactive, portanto não vou falar muito dela. A propósito, esse foi o link que eu mencionei ali em cima. O que eu não tinha feito foi colocar o clipe, porque preferi um com cenas de Arrow. Mas nada contra o clipe, que é bem bacana. Agora, aí vai:

Essa versão ao vivo também é de arrepiar:

2. Tiptoe: batida mais pop, e outra coisa em comum com o The Killers (pelo menos no primeiro CD. Quem sabe eu comento aqui também mais tarde?), um toque meio retrô, de anos 80, com sintetizadores, mas usados de forma inteligente, sem aqueles efeitos medonhos, e uma ponte bem bacana;

3. It´s time: essa tem a batida bem marcada pela percussão 9eu disse no post anterior, sobre Radioactive, que havia duas baterias. Na verdade não é bem isso. Dan, o vocalista, faz também percussão, mas em inglês a palavra é a mesma: drums), palmas e tem o bandolim como acompanhamento. Ficou superlegal (não disse que sempre tem algo inesperado nas músicas?), confira aí o resultado:

4. Demons: começa bem baixinha, praticamente só Dan e o teclado, mas ela cresce e no refrão ganha força. É uma música inspiracional, a letra é linda e é uma música bem otimista mesmo. Ela é dedicada a Tyler Robinson (pelo menos o clipe é, mas a letra pode se aplicar a várias situações, afinal todos nós temos os nossos demônios), que morreu de câncer. A banda, junto com a família de Tyler tem uma fundação para ajudar jovens combatendo essa doença. O clipe me dá vontade de chorar, descubra porque:

5. On top of the world: música animadinha, na verdade, bem up, como minha irmã gosta de dizer, com outra surpresinha: o assovio. Backing vocals muito bons, criando um coro lindo, batida bem gostosa, de palmas mesmo. O vídeo também é bem bacana, mostrando a gravação:

6. Amsterdam: outra com uma batida mais retrô, mas que muda no refrão e ganha força. Ela parece ter uma batida constante, mas ela também muda, como eu disse antes, assumindo uma forma inesperada;

7. Hear me: adoro essa música, principalmente pelo refrão. Adoro como ela sobe até lá. Mais uma com sintetizadores, mais discretos agora. Os altos e baixos dela são muito bem acompanhados pela voz de Dan, o backing vocal é perfeito;

8. Every night: acho essa música fofinha, gosto de como ela começa só com as vozes, o piano bem pontuado, os backing vocals, e mesmo a repetição de every night, every night, every night…Há também outros instrumentos e um aponte linda, só com a voz de Dan. Gosto também do final, só dedilhado (acho que no bandolim);

9. Bleeding out: adoro como começa praticamente só com Dan, e o teclado. Mas depois ela ganha uma batida mais marcada, e o refrão sobe. Ela forma um bom contraste com a faixa anterior, que é mais calma. Esta já tem mais força, mas sem chocar;

10. Underdog: faixa divertida, a começar pela batidinha inicial. Também com um ar retrô, principalmente pelo uso do sintetizador. Tem um coro lindo, a batida é bem up, daquelas que faz você se sentir bem ao ouvir;

11. Nothing left to say/Rocks: faixa dupla, e que não poderiam ser mais diferentes. Mas de novo, elas contrastam mas não entram em choque. É como se uma complementasse a outra. Nothing left to say é mais sombria, forte, com múltiplas vozes, muitas nuances. Já Rocks é uma faixa mais leve, animadinha, com um lindo trabalho de cordas e percussão, vocais belíssimos;

12. My fault: faixa mais calminha, intimista, mas com batida forte no refrão;

13. Round and round: acho muito legal como eles conseguiram transmitir o nome da música na batida, vai e volta, vai e volta, mas sem ficar cansativo. A batida parece circular, repetitiva, mas como eu disse antes, eles sempre tem uma surpresa em cada música, e nesta o padrão da batida se quebra sempre;

14. The river: legal nesta é ver o vocal de Dan começar bem baixo, rouco até, e depois subir. Lindo. Há também um trabalho vocal muito bacana;

15. America: declaração de amor à America, mas sem ser chata. Baladinha com melodia gostosa, um lindo trabalho vocal, e guitarra leve, mas muito bonita e teclados delicados;

16. Selene: começa com um bom trabalho de cordas, um solo bem bacana com palmas e estalos. A batida lembra um pouco Take me out, do Franz Ferdinand, tem altos e baixos, e um som mais cru.

Foi isso. Eu já havia dito que uma banda com o nome de Imagine Dragons não pode ser ruim, e não é mesmo. Já virou uma das favoritas, ali junto a Lifehouse. Espero que tenham gostado e que compense pela falha.

Beijos e até o próximo post!

4 comentários:

Carissa Vieira disse...

Não conhecia, mas ouvi uma das músicas e gostei. Vou baixar pra ouvir todo o cd.

Beijos,
Carissa

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Carissa!

Sou suspeita pra falar, mas é muito bom. Adoro todas as músicas. Está no meu carro direto faz mais ou menos um mês. O meu na verdade é um pouco diferente deste, porque eu baixei e gravei, mas é basicamente o mesmo, só uma ou duas músicas diferentes. Vale a pena, viu?

Beijos!

Jéssica Soares disse...

Imagine Dragons é tããããão incrível *-* A diferença é que eu conheci a banda quando a trilha sonora do filme "A Hospedeira" saiu, eu fui dar uma conferida em Radioactive e foi amor a primeira vista haha Eles são, realmente sensacionais! Ótima indicação!
Jéssica

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Obrigada, Jéssica!

Eu conheci primeiro Radioactive também, mas ouvi uma vez no rádio e logo depois tocou em Arrow. Aí adivinha, foi amor.

Eles são incríveis mesmo, todas as músicas são boas.

Beijos!