quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Correr ou Morrer – Maze Runner #1 – James Dashner

 

Maze runnerAo acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho.
Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo.
Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr, correr muito.

Fazia tempo que eu queria ler esse livro, mas exatamente desde a Bienal de 2010, que tinha um stand de divulgação desse livro bem bacana. Mas não sei porque não li, nem comprei. Mas foi anunciarem o filme, e uma amiga minha começar a ler, que a vontade voltou.

Antes de começar, eu li em inglês, então me perdoem por não saber os termos em português. E vou colocar em inglês mesmo, pra não pagar mico. Esclarecimentos feitos, vamos lá.

Tudo começa quando Thomas acorda num elevador sem lembrar de nada fora seu nome. Ele acha que está sozinho, e qual não é a sua surpresa quando ao chegar ao alto, descobre que está numa Clareira, e com vários outros garotos como ele. Esqueci de dizer que Thomas acha que tem 16 anos, mas não tem certeza. E todos os habitantes da Clareira (esqueci de dizer que descobri esse nome pela sinopse) são garotos, ênfase no sexo masculino, alguns pouco mais velhos que Thomas e outros até mais novos. E todos chegaram em algum momento na Clareira exatamente como Thomas, sem lembrar de nada.

E a vida na Clareira até que não é ruim, exceto pelo fato de eles estarem presos pelo Labirinto e não encontrarem a saída. Fora isso, toda noite as portas do Labirinto se fecham, e o Labirinto é tomado por criaturas meio animais meio robôs, letais. E uma picada desses seres, os Grievers (não sei em português), leva a uma espécie de doença, e se o pobre infeliz tiver a sorte de escapar, lembra de algumas coisas de sua vida anterior. E quem passou por isso jura, que mesmo com tudo isso, a vida na Clareira é muito melhor. Esqueci de dizer que eles vivem isolados lá porque alguma tragédia assolou a Terra e a vida como a conhecemos.

Tudo corre como sempre, uma vez por mês chega um novato (Greenie), os suprimentos vem em abundância, e os Gladers seguem com suas vidas em paz, na medida do possível. Até a chegada de Thomas. Logo no dia seguinte chega outro Greenie. Ou melhor, outra. Desta vez o elevador manda uma garota, a única do lugar, e com um aviso desconcertante: tudo vai mudar. E ela conhece Thomas. E ela também parece familiar a Thomas.

Thomas é um garoto inteligente, curioso e corajoso. E teimoso. Logo quando chega à Clareira, Thomas já acha que o lugar é familiar, e assim que conhece os Maze Runners (corredores?), logo decide que é isso que ele quer fazer. Thomas também é muito perspicaz e instintivo. E Thomas não se conforma com o costume dos Gladers de abandonar os que foram feridos, e assim ele começa uma pequena revolução na vida dos Gladers. E consequentemente conquista amigos e também inimigos.

Entre os amigos, o primeiro que Thomas faz é Chuck, um garoto de 13 anos mais ou menos e que fala pelos cotovelos. Chuck é um sopro de vida no livro, curioso e com a vivacidade dos 13 anos. Além dele, Minho, o líder dos Runners, e Newt, o segundo em comando dos Gladers. Minho é destemido e muito prático, mas paciente e ensina Thomas o que é ser um Runner. E Newt tem um senso de humor ácido e tem a mente aberta. Newt também exerce uma liderança fácil, além de ter sido Runner, mas sofreu um acidente e agora manca de uma perna. O que não o impede de tentar.

Contrários a Thomas, Newt e cia. está Alby e seus comparsas. Estes são mais duros e inflexíveis. Eles se opõem a tudo que Thomas e seus amigos fazem, e quando mudanças drástica acontecem na Clareira, eles vão logo culpando Thomas por elas. Porém, eles não são os inimigos que realmente importam, e sim o Labirinto, e quem os colocou lá. Esse é o grande mistério e o que realmente causa desconforto no livro.

E o livro em si é bom, a escrita é boa, mas demora um pouco para empolgar, e também é difícil de se acostumar com os termos utilizados pelos Gladers. Mas uma vez vencida essa etapa é difícil largar. Os capítulos são em geral curtos, e bem encadeados uns nos outros, de modo que a leitura é fácil. E o final tem um bom cliff-hanger para o segundo. Vale a leitura.

Trilha sonora

Radioactive, Imagine Dragons (essa versão ao vivo é o máximo!), Explorers, do Muse (Free me, free me from this world), In repair do Our Lady Peace e Disarray, do Lifehouse.

Se você gostou de Correr ou Morrer, pode gostar também de:

  • Jogos Vorazes – Suzanne Collins;
  • Divergente – Veronica Roth.

3 comentários:

Livromaníaca disse...

Oi Fernanda! Adorei sua resenha! Eu também sou assim, desde o lançamento morro de vontade de lê-lo... mas ainda não o fiz.
Tenho ele em inglês, qual o nível dele? kkkk
Vou ler em breve.. vai ter filme?! kkkk atrasada
beijos

http://girlfreakbooks.blogspot.com

Vitor disse...

Fernanda, eu quero ler esse livro já faz um bom tempo, mas nesse ano eu o leio, antes do filme ;)

Abraços!

Jéssica Soares disse...

Oi, Fê! Tudo bem? Eu conheci "Maze Runner" por volta de 2010 também, adorei a premissa da história, mas até hoje não a li. Fiquei sabendo do filme e quando fui comprar o livro em uma livraria física, já não tinha nenhum exemplar >< Li em outras resenhas também que a história demora para engatar, mas do jeito que estou mega curiosa para saber mais sobre a trama, vou acabar descontando isso!
PS: Indicou Radioactive na trilha sonora, já é obrigação fazer essa leitura! hehe Bjs
Jéssica