domingo, 4 de novembro de 2012

Inverno do Mundo – Trilogia do Século #2 – Ken Follett

 

Winter of the world'Inverno do mundo' retoma a história do ponto exato em que termina o primeiro livro. As cinco famílias - americana, alemã, russa, inglesa e galesa - que tiveram seus destinos entrelaçados no alvorecer do século XX embarcam agora no turbilhão social, político e econômico que começa com a ascensão do Terceiro Reich. A nova geração terá de enfrentar o drama da Guerra Civil Espanhola e da Segunda Guerra Mundial, culminando com a explosão das bombas atômicas. A vida de Carla von Ulrich, filha de pai alemão e mãe inglesa, sofre uma reviravolta com a subida dos nazistas ao poder, o que a leva a cometer um ato de extrema coragem. Woody e Chuck Dewar, dois irmãos americanos cada qual com seu segredo, seguem caminhos distintos que levam a eventos decisivos - um em Washington, o outro nas selvas sangrentas do Pacífico. Em meio ao horror da Guerra Civil Espanhola, o universitário inglês Lloyd Williams descobre que tanto o comunismo quanto o fascismo têm de ser combatidos com o mesmo fervor. A jovem e ambiciosa americana Daisy Peshkov só se preocupa com status e popularidade até a guerra transformar sua vida mais de uma vez. Enquanto isso, na URSS, seu primo Volodya consegue um cargo na inteligência do Exército Vermelho que irá afetar não apenas o conflito em curso, como também o que está por vir.

O segundo volume da Trilogia do Século de Ken Follett retoma a jornada das cinco famílias apresentadas no primeiro, Queda de Gigantes, mas agora quem está em foco, junto com a Guerra civil Espanhola e a II Guerra Mundial, são os filhos dos personagens.

A narrativa se inicia com Carla Von Ulrich, filha de Walter e Maud. Aos 11 anos, ela logo é confrontada com a dura realidade do Terceiro Reich na Alemanha. Sua família ainda tem prestígio e seu pai é membro respeitado do partido. Mas a ascensão dos nazistas vai mudar radicalmente este quadro. Carla cresceu com os ideais pacíficos e de igualdade de seus pais, e depois de, ainda com 11 anos, fazer o parto de sua empregada, ela decide ser enfermeira (na verdade, ela queria ser médica, mas mulheres não eram permitidas na faculdade na época) e serve durante a Guerra. Uma grande tragédia vai marcar profundamente Carla, e sua vida vai ser muito regida por esse evento (que eu não vou falar o que é, para não estragar) e logo ela se vê envolvida numa rede de espionagem dentro da própria Alemanha, para derrotar os nazistas. Carla é forte, e capaz de grandes sacrifícios para proteger os mais fracos. Como sua mãe, ela é a personagem feminina mais forte do livro.

Seu irmão, Erik, por outro lado, apesar de mais velho, é muito mais imaturo que ela. E ironicamente, se alia ao partido nazista, somente porque todos os seus amigos também se alistaram. E o discurso é tão bem articulado que Erik se rebela contra a família por causa do partido. mas logo ele leva um tremendo choque de realidade e terá que rever todos os seus conceitos.

Werner, namorado de Carla, é irmão de Frieda, melhor amiga de Carla, e é de família rica. É um jovem idealista, que é recrutado por Volodya (já volto a falar dele) como espião para a Rússia. Werner tem que manter isso em segredo, entretanto, e para o bem maior da Alemanha, tem que sacrificar o amor por Carla. Lembra a tragédia que eu falei lá em cima que define a vida de Carla? Bom, é ela que liga ainda mais Carla e Werner, mas ela também pode ser o que os separará para sempre.

Volodya é filho de Lev, aquele que ele deixou na Rússia e que foi criado por seu irmão, Grigori. depois da Revolução, Grigori vive com sua família em boas condições e privilégios, tanto que pode pagar pela educação de Volodya na Alemanha.  Volodya entra para o serviço secreto russo depois de se formar, e conhece Werner da escola, por isso o escala para sua rede de informantes. Volodya é leal ao governo russo, idealista, mas aos poucos vai ver que sua visão do comunismo é um tanto ingênua, mas isso não será o suficiente para que ele mude de ideia. Vale destacar Zoya, sua namorada, cientista brilhante que trabalha na pesquisa de armamentos nucleares para a Rússia.

Volodya nem sonha que tem outros irmãos na América. Daisy é filha de Leve e Olga, e é a herdeira mimada e fútil típica. Não liga para política e só quer saber de se casar com algum herdeiro e de festas. Mas Daisy é a personagem que mais se transforma pela guerra. De patricinha avoada, ela passa a mulher forte, engajada e chega a dirigir uma ambulância durante os ataques a bomba em Londres. essa mudança se dá em parte por causa de Lloyd Williams, filho de Ethel e Fitz. Só que Lloyd é pobre e não pode oferecer muito a Daisy e ela se casa com Boy Fitzherbert, que é igualzinho o pai, Fitz, e nem sonha que Lloyd é seu irmão. Mas aos poucos Daisy vai se apaixonado por Lloyd e é retribuída, mas seu amor vai sofrer muito com a guerra.

Lloyd, ao contrário de Boy, é determinado, e politicamente o oposto de Daisy (esqueci de mencionar antes que, levada pela ignorância e pelo marido, que só se importa em preservar seus interesses, ela se alia ao partido fascista. Mas ela muda depois que vê que o fascismo não é tudo que promete, e se ente até iludida por isso), mas ainda assim, não consegue tirar Daisy ad cabeça. Lloyd herdou todo o comprometimento político da mãe e de seu pai adotivo, que adora como se fosse o verdadeiro. Ele a princípio não sabe que é irmão de Boy, e despreza o irmão como o perfeito idiota que Boy realmente é. Log de início, Lloyd é marcado por uma demonstração da força do partido nazista na Alemanha, onde testemunha junto com a mãe todo o horror que os nazistas são capazes de infligir. Por isso, se opõe fortemente ao regime fascista e nazista, tanto assim que acaba por ser voluntário na Guerra Civil Espanhola, numa tentativa de depor Franco.

Esqueci de mencionar o outro irmão de Daisy, Greg. Ele é filho de Lev e uma amante, portanto é irmão bastardo de Daisy. Mas tem todos os privilégios da irmã. só que ao contrário de Daisy, que influenciada pela mãe, não é lá muito chegada no pai, Greg adora Lev e ambiciona ser como ele um dia. Mas sua vida vai mudar radicalmente quando conhecer Jacky Jakes, uma linda negra com quem tem um caso, Aí Greg vai conhecer o pai realmente, e não vai gostar muito do que vê. Mas sua vida tomará um novo rumo, e logo Greg terá novos objetivos, suas prioridades também mudarão. Ele é físico, e faz parte do infame Manhattan Project, que foi o responsável pela construção da bomba atômica que atinge Hiroshima e Nagasaki.

Ainda na América, vale destacar Woody e Chuck Dewar. Ambos são filhos de Gus Dewar, ainda membro do governo americano. Woody é um jovem fotógrafo, sonhador e doce, mas que vê sua vida marcada por um tragédia em Pearl Harbor. Seu irmão, Chuck tem um grande segredo e também vê sua vida perder o rumo depois de Pearl Harbor. Enquanto Woody segue os passos do pai (contra a vontade, vale ressaltar. Sua paixão é a fotografia), Chuck se alista na marinha, e assiste, junto com a família, ao ataque a Pearl Harbor, aliás contado brilhantemente.

As vidas de todas essas pessoas são interligadas pela guerra e por outros fatores. Novamente, Ken Follett se vale de uma pesquisa extensa e minuciosa, e monta um verdadeiro jogo de xadrez onde os peões se movem inexoravelmente ao encontro um do outro. Como eu coloquei ali em cima, o relato do ataque a Pearl Harbor é extremamente detalhado (eu via o filme passando na minha cabeça enquanto lia) e toda a rede de espionagem na Alemanha é detalhada, em pormenores. A narrativa se divide entre os personagens, sempre em terceira pessoa, e é fluida, prazerosa. E o bacana é que ele dá os dois lados, o dos nazistas, e dos alemães que eram contra o regime e lutavam muitas vezes até a morte contra Hitler. E também o lado dos russos, que sofreram muito como regime. Se eu tenho uma crítica é que talvez ele pudesse explorar mais a bomba atômica em Hiroshima e Nagasaki, mas isso não interfere em nada a história. Mas daí o livro teria mais 800 páginas ;D

Nota histórica

De novo, o relato é tão bem escrito, bem explicado, que não vou colocar nada.

Se você gostou de Inverno do Mundo, pode gostar também de:

  • Queda de Gigantes – Ken Follett;
  • Mundo sem fim – Ken Follett;
  • Os pilares da Terra – Ken Follett;
  • A lista de Schindler – Thomas Keneally;
  • A menina que roubava livros – Markus Zusak;
  • A sombra do vento – Carlos Ruiz Zafón;
  • O menino do pijama listrado – John Boyne;
  • O diário de Anne Frank – Anne Frank.

E também assista os filmes:

  • O império do Sol;
  • A lista de Schindler;
  • Pearl Harbor;
  • O menino do pijama listrado (eu não assisti, nem li o livro, porque eu sei que vou chorar ;D)

9 comentários:

Nadia V. disse...

Mais um que está na minha lista. :)
Vi todos os filmes que você indicou e chorei muito vendo O Menino do Pijama Listrado haha. Muito mesmo. Fui dormir chorando e acordei e chorei mais rs. Mas quero ler o livro mesmo assim hehe.

Continuo tendo que provar que não sou um robô. =/

Beijo

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

KKKKKKKKK

Eu fiquei assim com Marley & Eu ;D

O livro é muito bom mesmo, envolvente. Você vai gostar!

Beijos!

Vitor disse...

Acho que vou ler Inverno do Mundo em vez d'O Temor do Sábio, livro 2 d'A Crônica do Matador do Rei (por que não deixaram Regicida???).

Você vai gostar muito d'O Nome do Vento, eu estou devorando como posso, rs.

Abraços.

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Vitor!

Concordo, regicida é mais legal ;D

E esse é muito bom também. já estou com saudades dos personagens ;D Estou adorando The name of the wind, mesmo estando bem no comecinho! Obrigada pela dica!

Beijos!

Fefa Rodrigues disse...

Fe, comecei a leitura de Invrno do Mundo ontem, e é incrível como esa série me "emociona", acredito que Queda de GIgantes foi o livro que mais me tocou e com o qual eu mais me envolvi... entrei na história totalmente... me apaixonei pela série e já nas primeiras paginas de o Inverno estou sentindo o mesmo!!!

Tenho absoluta certeza de que vou amar... e vc descreveu com perfeição... o autor cria um jogo de xadrez onde as peças se movem de encontro... é o destino, né!?!?!

Gabi Castro disse...

Com certeza, este livro está na minha lista de melhores livros. Quando terminei, quis chorar, pq não iria viver mais com aqueles personagens. Estou ansiosa para o terceiro volume ser lançado, mas não sei se amarei tanto quanto este, pq me afeiçoei de verdade a estes personagens (se bem que eu pensava assim do anterior e foi justamente o contrário).

Me apaixonei perdidamente por Lloyd. Ele e Robb são minhas novas paixões. Não sei pq ele ficou com a Dayse (devia ter ficado comigo). E também me apaixonei por Chuck (mas este não tinha jeito hehe). Este último reviveu minha vontade de entrar para a Marinha - e esta agora é a minha primeira opção de futuro.

Fiquei #Chateada com o que aconteceu com a família de Carla (precisava ver o meu estado quando aconteceu o tal fato... andava pela quase gritando e tomando copos de agua para tentar me acalmar, foi traumatizante).

Não entendo estes autores: nos fazem nos apaixonarmos por personagens e depois os matam!! (spoiler)! E a droga do Erik vivo enquanto os outros morriam! #Chateada

Também amei a parte de Pearl Harbor!Foi tão detalhado e vívido que eu não conseguia parar de ler, chorei e me desesperei com os personagens! Foi eletrizante! E também acho que ele devia ter colocado alguem no Japão para vivenciar as bombas... Mas o livro ficaria extenso demais... Deixa assim que ficou perfeito!

Follet é sempre um autor incrível! Um dos melhores!

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

OI Gabi!

Verdade, o que esses autores tem contra nós?! Gostam de ver a gente sofrer...;D

Esse também está na minha lista de preferidos.

Beijos!

Sara Costa Serra disse...

Sara Costa,
Acabei de ler o Inverno do Mundo, adoro livros históricos. Quanto a condenação e execução do casal Frunze lembrei do casal Rosenberg. Por que será que o autor mudou os sobrenomes, já que ele mistura personagens fictícios com personagens históricos?
Parabéns pelo blog!

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Sara!

Obrigada pelo comentário!

Olha, acho que a mudança foi para evitar qualquer pendência legal.

Esse livro é mesmo muito bom, não? Eu adorei e não vejo a hora de sair o terceiro.

Beijos e volte sempre!

Fernanda