sábado, 17 de dezembro de 2011

Ahmnat – Os amores da Morte – Julien de Lucca

 

AHMNAT O que pode acontecer quando Morte e Destino brincam com o sentimento mais perigoso? Ahmnat é uma garota egípcia que, após uma vida cheia de turbulências, tristezas e mágoas, assume o cargo de Morte e passa a viver entre este mundo e o além-vida. Porém ela não está sozinha. Logo conhece Destino, responsável por escrever as vidas mortais, que fica surpreso e abismado ao vê-la no lugar de poderosa entidade. Destino propõe, então, um sádico jogo a Ahmnat: criará dez vidas mortais, humanos bem especiais, para tentar fazê-la se apaixonar por eles. Se Ahmnat se apaixonar por qualquer um, ela volta para a Terra como mortal novamente, dando a oportunidade de Destino reescrever sua vida. Caso contrário, será Destino quem se tornará mortal, permitindo que Morte venha buscá-lo pessoalmente.

Mas que situação difícil você me colocou hem, Julien?: Sim, eu sei muito bem que você está lendo, e isso me deixa meio nervosa. Mas não vou mentor porque: 1) eu sei que você não ia querer isso e 2) porque você sabe que uma coisa que eu não sou é puxa-saco. Nem sei fazer isso. Portanto, vou dar minha opinião sincera. Não precisa se assustar também, que não vou detonar como fiz com Amanhecer (hehe). Sério, não vou mesmo.

Bom, depois dessa divagação, vamos começar. A história começa no Antigo Egito, onde nossa protagonista nasceu, mais ou menos 4 mil anos atrás. Ela é uma garota pobre, que adora (quase venera mesmo) a mãe, mas tem problemas com os meio-irmãos e todos na pequena vila onde mora. E como desgraça pouca é bobagem, ela ainda é perseguida por um ser misterioso a quem ela chama de Maldito. Depois de uma vida breve, mas muito sofrida, ela morre, mas num ato de desespero, se torna Morte. Daí para ela conhecer Destino e entrar no jogo dele não demora nada.

Ahmnat, ou Morte, é uma garota mimada e um tanto arrogante. Se acha a entidade das entidades, mas ao mesmo tempo, não sabe direito o que faz. Seu humor também é volátil. Ela passa da paixão à vingança (e sua vingança geralmente significa um banho de sangue) num piscar de olhos. E ela também é presunçosa, porque tem poderes que nem conhece direito, mas principalmente porque tem o dom a telepatia, e, sabendo o que os outros pensam, ela sempre se antecipa ao que eles esperam dela, só para ficar se sentindo com ar superior. Isso é um tanto irritante. Por outro lado, ela tem um senso de humor sagaz e sarcástico, o que eu gosto.

Destino, por sua vez, é uma entidade que tem a forma de um garoto de uns 16 anos, e até o temperamento de um adolescente. Também é sarcástico, e inteligente, perceptivo e inventivo. Não mede esforços para ganhar a aposta. Gosto dele mais do que de Morte, pena que ele aparece pouco. Podia ter mais destaque. Mas isso é explicado. Ele vive meio recluso, por causa de seu trabalho infindável de escrever as vidas humanas. Ainda assim, merecia mais destaque.

O Maldito é um mistério que permeia o livro até o final. É sádico e gosta de brincar com Morte, de maneira perversa. Ele sempre aparece em momentos cruciais, geralmente para se vangloriar ou humilhar Morte. Confesso que me surpreendi quando sua identidade foi finalmente revelada. Não que, pensando agora, em retrospecto, não fosse previsível, mas é que durante o livro, Julien dá pistas que levam a gente em outra direção.

Outro personagem que destaco é Lúcifer. Estrela da Manhã, como também é chamado, é talvez o personagem mais legal do livro. É ambicioso e tem um senso de humor mordaz, e leva sua existência sem muitas preocupações, simplesmente se divertindo com os mortais e os prazeres da vida (todos eles). E, vendo sob sua perspectiva, o Inferno parece bem mais divertido do que o Paraíso.

Já os tais amores da Morte não são lá muito dignos de nota. Não aparecem muito, e servem mais como coadjuvantes no embate de egos que rola no além. Entre eles há figuras históricas importantes, mas que não foram muito bem desenvolvidos.

O ritmo é meio lento no início. Demorei um pouco para embalar. Da metade para o fim, porém, fica mais intenso. Também, pelo tempo decorrido, os períodos históricos poderiam ser mais bem explorados. O final, no entanto, é surpreendente. Gostei bastante, e já fiquei curiosa para saber como a história de Ahmnat continua (claro, tinha que ser uma série…Julien, te mato). No geral, para um livro de estreia, é bom, uma leitura gostosa, e apesar de demorar um pouco, ela flui. Recomendo com certeza, e não porque o autor é meu amigo. Recomendo porque vale a pena mesmo.

Trilha sonora

Para começar, Only one, do meu querido Lifehouse (pensa que é para qualquer um que eu coloco minha banda do coração? E o vídeo é fofinho, com a Lindsay e o supergato e megagostoso Danny Messer de CSI: NY…ê aqui em casa…). Também Sympathy for the Devil, com o Guns, que é bem melhor que a versão original com os Rolling Stones (com todo o respeito). E apesar do nome, ela serve não só para Lúcifer, mas para outros personagens. Ainda com o Guns, Live and let die (com mil perdões, novamente, a Sir Paul McCartney, mas essa música tem que ser com o Guns). Mais The end is the beginning is the end, do Smashing Pumpkins (uma das duas que eu gosto deles, da trilha de Batman & Robin, mas esse vídeo com Batman Begins e The Dark Knight é bem melhor…Saudades do Heath Ledger… o melhor Coringa de todos). Também Full circle, do Aerosmith, Time is on my side, essa original, dos Rolling Stones, e finalmente Bring me to life, do Evanescence.

Se você gostou de Ahmnat – Os amores da Morte, pode gostar também de:

  • A batalha do Apocalipse – Eduardo Spohr;
  • Filhos do Éden – Herdeiros de Atlântida – Eduardo Spohr;
  • A menina que roubava livros – Markus Zusak.

9 comentários:

Fefa Rodrigues disse...

Fê... td bem???

Primeiro, como funciona esse negócio de selinho (heheheh super ignorante!!)?

Outra coisa, peguei com minha subrinha a série do Eragon e do Percy Jackson!!! Férias chegando hehehehe... eu to do meio pro fim de Queda de Gigantes (amando!!) e não quero ir direto rpa Tormante da Espadas, pq sei q vout er que esperar um pouco por Festimd e Coorvos... então... peguei esses...

Este livro que cv comenta, parece inteerssante... me lembrou uma resenha que vi em algum blog por ai... não me lembro o nome do livro, mas parecia legal... será que vc ja viu?

A história era sobre Romeu e Julieta, mas tipo... o ROmeu na verdade teria assassinado a JUlieta que se tornou tipo um espirito... ai, não lembro direito, mas parecia legal heheheheh... vc já viu algo parecido???

Anônimo disse...

Fefa o nome do livro é Julieta Imortal.Já li e ele é muito bom!
Gostei da resenha e e estou louca para ler esse livro.
Fernanda,se voce gosta desse tipo de assunto eu te recomendo o livro Os sete selos,que é muito bom

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Obrigada pela dica e pelo comentário!

Volte sempre, mas da próxima vez deixe seu nome para eu poder responder adequadamente.

Beijos!

Fernanda

Fefa Rodrigues disse...

Eu estou amando Queda de Gigantes... só ficquei trsite de ver que as continuações ainda não foram publicadas!!!:o(

Viuuuuuuuuu meu super namorado Davi comprou Festim de Corvos pra mim na pré-venda da Americanas... 39,90, acredita????????????????????????????????/

só que a previsão de entrega são 56 dias huahauhauhauhauha... mas beleza, o meu ja está garantido... e qd eu tiver a coleção toda acho que vou ter que separar uma prateleira só pra eles, são enormes!!!!

Fe, sei que não tem nada a ver com esta postagem, mas queria aproveitar a oportunidade pra te desejar Feliz Natal!!!

:o*

Fefa Rodrigues disse...

Feeee a séria O Imperador do Conn é ótima, eu amei, especialmente o livro 1, Nos Portões de Roma... já li até o livro 3, so falta o quarto que ta la na minha estante, mas estou relutante pq não quero ver a morte de César... hehehe

Poliana Az. disse...

Eu já li o livro. Muuuuito bom mesmo, e sabe quem é o "Maldito"?
Fui descobrir no finalzinho quem seria. Claro que não vou dizer, pois para quem esta lendo, é meio sem graça contar. kkkkkkkk'
Julien de Lucca.. muito bom sua obra. Se bem que é a primeira delas que li, mas gosteei muito.

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Poliana!

Eu também só descobri quem era o Maldito no finzinho. Eu achava que era um, e no fim fui surpreendida.

Obrigada pelo comentário e volte sempre!

Beijos!

Fernanda

Dara Luiza disse...

Eu li o livro e não entendi quem era o Maldito. Sério, eu tenho algumas especulações mas não sei se estão corretas. Alguém me diz quem é?! Ou me manda um email falando?! Sério, eu to muito curiosa e ninguém que eu conheço já leu o livro :'(
enfim, vou deixar meu email agora: daraluizam@gmail.com

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Dara!

Eu precisaria reler, porque faz tempo e não me lembro mais.

Beijo!